Review Nacional: “129129” por LAY

LayReviewFala aí, seus litrão de Itaipava! Menino Hussein em mais uma dissecação de um trabalho nacional. Várias galeras no nosso grupo do Facebook nos recomendaram esse EP, e como nóis é gente boa pra cacete resolvemos revisá-lo. O “129129” é o debute de uma mina de SP, a Lay, que por ventura eu não tinha ouvido falar até então. Aí nossos coleguinhas virtuais pediram a review e a cúpula do blog, após shots de Biotônico Fontoura acompanhadas de porções de Mendorato votou de forma unânime pelo SIM. Sem mais enrolação, vamo pra review!

A Lay, como MC, não tem uma caneta muito afiada, com composições de outro mundo, e a proposta do EP nem é essa também. A maioria das tracks são aqueles trap pra tocar na pista, e dá pra ver que ela se inspirou no delivery dos rappers que tão estourados na cena ao gravar as faixas. Rola umas mudanças de levada que dão um certo dinamismo à audição, mas não tem nenhum flow daqueles de outro mundo. Um ponto forte dela são os refrões e as partes cantadas intercaladas, que também contribuem pra que as músicas fiquem menos monótonas. Dá pra perceber que ela também tem uns vícios na escrita, como rimar muito verbo com verbo. Num apanhado geral, entretanto, a performance da Lay ao mic se mantém bem regular.

As produções são todas assinadas pelo já conhecido Léo Grijó. Abraçando totalmente o trap, há beats mais turnt up, e outros mais calmos, como o da “Busca”. Os instrumentais estão todos bem produzidos, mas exceto o beat da “Ghetto Woman” que é bem desafiador e original, os outros passam a impressão de serem bem genéricos (isso é um problema de uma boa parte dos traps hoje em dia, tem muita gente seguindo tendências ao invés de tentar criar novas). Desde o trapfunk da “Fal$os” até a “Mar Vermelho”, que tem um beat parecidão com uma música do Future que eu esqueci agora (vou lançar nos comments quando lembrar), os beats não pecam em qualidade, mas em inovação, identidade própria.

Apesar desse caráter um pouco genérico dos beats, o EP, no geral, acertou ao focar em um nicho crescente: o das festas de trap no Brasil. Os sets dos DJs ainda carecem de boas músicas feitas por artistas brasileiros, e a Lay pode ter visto essa brecha pra adentrar na cena. Fica claro que nem as composições nem as produções são excepcionais, mas atendem ao público e a proposta a que são direcionados. Mesmo que não esteja entre os trabalhos mais técnicos do ano, é interessante ver os desdobramentos que o rap pode tomar. E é isso mes amis, não fechem a aba do blog porque aí vem mais texto tão certeiro como a pontaria peniana do Catra. Até!

Anúncios

2 comentários sobre “Review Nacional: “129129” por LAY

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s