Review R&B: “Genesis” por The-Dream

GenesisCoverTerius Youngdell Nash, mais conhecido para nós como The-Dream, vem em “Genesis” com um material novo. Produtor, compositor e cantor de R&B, The Dream é bastante interessante em algumas musicas e participações nos projetos de outros artistas. Ano passado, Pusha T o chamou para fazer alguns bons refrões em seu último disco e aquilo me fez ficar de olho aberto para o que Terius iria aprontar esse ano. E não demorou, ele fez algumas participações no também ótimo disco do Kanye West, então, para quem não ouviu e pra quem já ouviu também, clica com mouse aí, vai começar a análise.

Genesis é considerado um “prequel” para futuros projetos do The Dream. Além do fato dele soltar as musicas, ele também largou um curta disponível também no serviço streaming TIDAL, onde explora o “rosto de sua alma e o conflito dentro de si mesmo”. Todavia, como eu estou aqui para avaliar as suas musicas, vamos para o que interessa. Tudo material em sí é um pouco confuso pra mim, apesar do conceito sempre girar no pecado, drogas e mulheres, tudo isso ao mesmo tempo. Na faixa “Heir Jordan”, que tem umas referências minímas ao basquete que me lembra um pouco o “White Iverson” do também cantor de R&B; Post Malone, as batidas no começo desse álbum são bem suaves e minimalistas, os synths são bastante suaves e a temática é bastante lisa.

De desdenho de garotas nada confiáveis ao mesmo tempo que ele tem problemas para amar, em “Virtuous”, musica que divide com rapper Wiz Khalifa, eu vi uma certa ineficiência na escolha do refrão pelo The Dream, entretanto os braggadocious do Khalifa não são escutáveis, acredite se quiser, meu jovem. O cd apresenta uma queda vertiginosa ao mesmo tempo que as batidas mudam para um Trap RnB que até dão pro gasto, “De Level” à “No Pacts”, temos o pecado como ideia central, e daí sim temos ideia do que verdadeiramente se passa na cabeça do cantor, com altos e baixos. Misturado à tudo isso, a produção não deixa a calhar, os vocais são intrigantes. Todavia, a única falha ao meu ver do Genesis é que ele tenta muito em querer ser sensual demais e quando temos basicamente uma ideia que ele tá chegando lá, ele volta à estaca zero. Enfim, Genesis é um cd bom, morno na sua conclusão onde chega a ser um registro muito “ok”, tipo de trabalho que tem seus altos e baixos bastante acentuados.

Nota3

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s