R&B Review: “ANTI” por Rihanna

ANTIReviewLá estava eu, com sua velha insônia de guerra quando mandaram pra mim o stream do “ANTI” para o senhorio aqui escutar. Escutei e achei o bagulho interessante, e sim, pessoal, “Bitch Better Have My Money” não está no cd. O motivo? Irei explicar logo mais na review, e como a RiRi apresentou um projeto que nada convêm da sua zona pop, decidi revisar o seu oitavo disco de estúdio. Enfim né, vamos logo ver o que eu verdadeiramente achei disso, se vocês quiserem ver claro, imagina.

Bem, olha, Anti é uma parada interessantíssima, mas é um álbum de controvérsias. Enquanto a Rihanna vem trazendo um novo olhar artístico, acrescentado seu olhar lírico as escritas – onde ela participou de todas as faixas, acreditem se quiser – além do fato de conseguir reunir harmoniosamente produtores distintos em um único projeto e que soaram positivamente bem, Anti é uma nova atmosfera, seus vocais estão excelentes, mas apresenta certa partição e ilogismo. Indo para a explicação do porque o “Bitch Better Have My Money” não tá no disco, acho que é fácil entender já que em “Consideration”, primeira track do álbum e faixa que divide com a SZA, ela deixa claro que quer ser melhor analisada e respeitada musicalmente, e isso claro, quer dizer que ela vai participar de toda produção escrita. Como “Vadia, é melhor pagar meu dinheiro”, não foi escrito por ela, é fácil entender o não comparecimento, né leitores? Acredito na inteligência lógica de vocês. Contudo, há uma coisa boa e ruim nisso. Todas as músicas apresentam participação dela na produção lírica, porém, é óbvio que a outra pessoa não a ajuda na interligação das temáticas, parece que tantas mentes pensando assim não ajuda muito na coerência do projeto.  Tipo, em “Needed Me”, ela apresenta uma puta musica de empoderamento feminino e de não depender de nenhum “macho”, mas se formos analisar todo o conjunto da obra, não era isso a proposta. “Kiss Is Better”, “Close to You”, “Work” apresenta uma Rihanna dependente de novos amores legais, divertidos ,totalmente o posto de “Needed Me”, não que para ter um não precisa ter o outro, porém a falta de organização é evidente.

Não ter saído de sua zona de conforto lírico (apesar de sair um pouco da zona pop) também é outro lado negativo. Você não irá ver mais da Rihanna revoltada dizendo que é uma vagaba mesmo como em “Pose”, você irá ver love songs que estão longe de serem ruins, todavia não é nada corrente. No quesito das participações, todos estão ótimos. SZA, Drake, Nuno Bettencourt em sua boa guitarra em “Kiss Is Better” e até o Travis Scoot em suas pontes em “Woo”. No quesito das batidas, é tudo DOPE, R&B com hemisférios jamaicanos articulados com gírias jamaicanas, soul e até resquícios de elementos country, ao meu ver, encontramos aqui com várias assinaturas do Mustard (dale mustarda), NO I.D, Kuk Harrell, Boi-1da e tantos outros. Para concluir, Anti é sim um álbum a altura do que Rihanna é e todos esses problemas apontados fazem parte daquilo que é nos apresentado por ela, Anti é um pouco segmentado, um pouco incoerente, porém é vigoroso e apresenta uma nova atmosfera artística dela. Um excelente álbum.

Nota4

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s