R&B Review: “T R A P S O U L” por Bryson Tiller

trapsoulreview


Oi né

Vocês tem cara de que coloca Breezy como sobrenome no perfil do facebook mas eu gosto de vocês. Eae, vocês tão suavinho? Quem chega desse lado é o Santiago mais conhecido como menino do swag imaculado.

O assunto que trago hoje é sobre o debut do Bryson Tiller. Esse que recebeu toda a atenção da internet quando lançou o single “Don’t” no dia 9 de outubro de 2014 em sua conta no soundcloud. Ele já tinha chamado a minha atenção, quando tinha lançado um remix da “How Bout Now” do Drake que na minha
opinião é melhor que a original.

O estilo do Bryson é algo que eu chamo de R&B Rapper. E vários caras que se enquadram nesse “estilo” vem matando o jogo ultimamente. Popularizado pelo próprio Drake e seguido por PARTYNEXTDOOR, Weeknd, Tory Lanez e o próprio Bryson Tiller. São cantores que sabem rimar ou rappers que sabem cantar, a definição fica por conta de vocês. Mas isso os torna diferenciados em ambos gêneros e consequentemente agradando os apreciadores do R&B e do rap. Eu como amo os dois, acabo me apaixonando pelo tipo de música que esses caras estão fazendo.

Já tivemos rappers que cantam seus refrões, isso não é novidade. A linda maravilhosa perfeita Lauryn Hill já fez isso muito, inclusive ela rimava demais, mais que muito rapper e sua voz é uma das mais belas da história do rap IMO. Quem não lembra dos refrões do 50 Cent? A facilidade do negão pra fazer refrão “cantando” era incrível! Tem gente que não reconhece isso mas tem como esquecer os refrões de “Candy Shop”, “Many Men”, “Best Friend” ou “P.I.M.P” ? Não da né. Mas o Fif não tem o que o Bryson tem que é uma voz excepcional feita para o Soul Music e maior facilidade para explorar o melhor dos dois estilos, o tornando híbrido.

O título do “TRAPSOUL” ja descreve o que teremos. Uma mistura do trap com os vocais, sentimentos e composições do Soul/R&B. Essa mistura que o Tiller soube fazer de forma genial. Os elementos do trap aparecem somente nos drums dos instrumentais, principalmente nos kicks e hi hats triplicados. A produção do disco esta no ponto. É sem dúvidas algo muito especial e que não tem como passar batido. O beat que eu mais gostei e o da faixa “Sorry Not Sorry”, com um sample do Street Fighter muito foda. A escolha dos beats foi excelente, a maioria com o bpm baixo, deixando o cantor bem a vontade, assim ele consegue trazer uma grande variedade de flow, brincar com as melodias, sem deixar a essência do R&B. Falando em vocal, o Bryson é bom, mas não é um excepcional cantor. Na verdade, nenhum desses caras que eu citei acima, com exceção do Weeknd, são grandes cantores. O Bryson tem uma voz bonita mas não existe muita “técnica”, a maioria das músicas ele permanece no mesmo tom no decorrer da música, sem ousar nos melismas e riffs vocais que são características do R&B, que são executados muito bem por caras como Trey Songz, D’angelo, R.Kelly, Lauryn Hill e até mesmo o espanca mina Chris Brown.

Mesmo assim, esse moleque sabe muito bem impor sua voz, explorar melodias e o melhor, ele reconhece suas limitações, principalmente quando trata-se dos agudos. Não tem problema nenhum nisso, porque ele tem outras qualidades que fez com que eu não ligue pra isso. Se o cara já tem um bom timbre não tem porque ficar inventando muito. Ele consegue fazer o menos ser mais e eu aprecio isso.

Questão de lírica do álbum ele traz o meio termo entre o chorão do Drake e as composições “sujas” do R.Kelly. As vezes ele ta “foda-se” outra hora ele ta lamentando a perda de uma mina. Quando trata-se de R&B eu não ligo muito para a letra do som, e sim para a melodia e a voz do cara, então pra mim tanto faz. De qualquer forma, não tem nada demais, é algo bem básico mesmo.

No geral, é um álbum INCRÍVEL e muito easy listening. Mesmo que todas faixas permaneçam na mesma atmosfera de “Don’t”, é algo bem diferente de tudo que escutei esse ano, e o que mais me agradou no meio de tantos lançamentos excelentes. O R&B precisava de alguém como o Bryson, não que tenhamos artistas ruins, mas era necessário alguém para trazer algo novo. Tamo cansado de old niggas no jogo por tanto tempo. R.Kelly, D’Angelo, Trey Songz, Chris Brown (que é jovem mas ta no jogo desde os 15 anos porra ninguém aguenta mais), precisam passar a tocha para os moleque que tão vindo agora.

Eu tenho certeza que quem é fã de R&B vai gostar desse disco. Ainda não conheci ninguém que não curtiu. Mas enfim, se você discorda de qualquer coisa, faça com que sabemos disso. Comenta ai, ou cola la na nossa page do facebook, sua opinião é bem vinda, a não ser que seja diferente da minha, opinião diferente eu resolvo na base da pancada (to zuando….ou não).

Nota4

Anúncios

Um comentário sobre “R&B Review: “T R A P S O U L” por Bryson Tiller

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s