Review Nacional: “Revel” por Filipe Ret

069fe0fbf01a8dd24af32b1acddcc833.1000x1000x1Depois do lançamento do bem recebido álbum “Vivaz”, o rapper carioca Felipe Ret tinha conquistado uma posição na lista dos maiores nomes da nova safra do Rio de Janeiro. O Vivaz lhe proporcionou uma forte base de fãs, status, e um caminho feito para sua entrada no mainstream nacional. Depois de tanto buzz, Ret prometeu lançar seu segundo álbum de estúdio esse ano, chamado “Revel”, e trazendo consigo uma responsabilidade enorme de tentar, pelo menos, apresentar um trabalho igual ao seu primeiro disco. Sendo lançado pelo selo da “Tudubom Records” e da “Skol Music”, Revel está oficialmente nas ruas ! Segue a ideia que o bonde ta sem freio.

Ret é um rapper polêmico e que, como gosta de ressaltar muito bem, ostenta muitas contradições . Repleto de melodias, o que não é novidade para ninguém, e de um romantismo regado à um trap meio que soft, Revel é um pouco decepcionante. A pegada lenta é um dos pontos negativos do trampo, suas filosofias, oriundas ainda do seu primeiro disco, são um pouco repetitivos e alguns dos seus vocais são um pouco enjoativos. Apesar disso, a exaltação de sua ambição misturada com seu ego buscando a superação não é lá tão ruim. Sim, o ego muitas vezes beira ao ridículo, sua auto promoção é um pouco negativa, porém, eu gostei da forma como ele tenta buscar uma originalidade sem se preocupar com seus “haters”. A inveja é um dos pontos que ele mais critica, afinal, quantos comentários negativos você ler ou escuta sobre ele? Acredito eu que isso se deve a sua forte personalidade, e que não me ofende nem um pouco. Apesar de falar e escrever muitas baboseiras, pelo menos eu vejo uma autenticidade nele que não vejo muitos nos outros rappers do jogo. Quer dizer, quantos caras ai tentam se “enquadrar” no que esses policias do rap pedem? O Mc da Tudubom vai de encontro a isso, caga e anda pra isso, manda todo mundo se foder e observar ele alcançar milhões em um clipe com ele sendo ele mesmo.

Logo em “Chefe do crime perfeito”, primeira track, as metáforas são jogadas nas sua cara de forma aberta. Comparando as suas letras as drogas, ele meio que solta rimas clichês, o que meio que não me agradou muito. “Invicto” é um dos melhores singles comerciais do ano até agora, pode chorar ai, o cara sabe o que faz e com certeza, é um dos pontos positivos do disco. Outra temática muito abordada no bagulho é o romantismo. “Coração vagabundo”, “Só pra você lembrar”, “Taças pro Ar” e “Livre e Triste” mostram um cara que está tentando buscar perdão das mulheres que passaram por sua vida e um cara querendo ter pontos ganhos com várias gatinhas lindas. O melody carioca é colocado de uma forma bastante agradável no cd. Mão Lee, o produtor que mais aparece no disco, soube muito bem incorporar as vertentes cariocas como ninguém.

Já voltando para intrigas cotidianas de sua vida e tacando o foda-se pra geral de novo, Ret em “DUTUMOB II”, junto com seu parceiro Shadow, voltam a ostentar a fama, boas vestimenta e mulheres lindas, pique o lifestyle. Linhas como essas são muitas no trampo, mas essas é que teve mais impacto pra mim, segue a ideia :

Alegria, esse é meu mantra
Continuo contra toda a hipocrisia que a minha rebeldia espanta
Tem que ter culhão
Problemas crescem junto com a ambição
Um montão aperta minha mão, dizem que sou bom
Todos querem meu dom, mas ninguém quer minha solidão
Ando arrumado, bonito, metido
Me amam e me odeiam pelo mermo motivo” (“DUTUMOB II”)

Revel é um pouco decepcionante sim, nada comparado ao Vivaz. Contudo, não é um cd ruim. Mão Lee, Neguim Beats, NAVE Beats e vários outros beatmakers fazem uma produção de “ok” pra legal. O flow do Ret não é lá essas coisas, porém não é ruim também. Algumas musicas não funcionaram pra mim, outras funcionaram, o que tornou o trampo naquele mingué do “bonzinho”. Pulando para as participações, temos o Mc cidinho na primeira faixa servindo de intro e o Shadow, como já citado, mandando uma rima boazinha…como já falei, o bagulho é bem ‘regularzinho’. Enfim, se cê curte um trabalho pra cima, feliz, exaltando seu sucesso, Revel é pra você. Mas, se você não consegue suportar um trampo cheio de ego, isso aqui não é pra você, vai ouvir o disco novo do Black Alien, irmão. Abraço.

Nota3

Anúncios

Um comentário sobre “Review Nacional: “Revel” por Filipe Ret

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s